Dose de vibração, uma abordagem diferente sobre o tema

Autores

DOI:

https://doi.org/10.55753/aev.v36e53.11

Palavras-chave:

vibração de corpo inteiro, valor de dose de vibração, saúde ocupacional

Resumo

A vibração é um movimento mecânico que oscila em torno de um ponto fixo, geralmente de referência, e caracteriza-se por transferir energia, mas não matéria. Nos ambientes ocupacionais a exposição a vibração se dá de forma total, ou seja, é transferida para o corpo todo. Devido aos efeitos à saúde provocados por essas exposições, atualmente no mundo são 58 países que adotam limite legais para vibração de corpo inteiro. A maioria dos países adota metodologias e procedimentos de medição previstos na parte um da norma internacional ISO 2631-1:1997, isto é, o método básico de segunda potência do valor eficaz (r.m.s. ou root-mean square) é o preferido mundialmente. Alguns poucos países adotam de forma complementar o VDV (Valor de Dose de Vibração) que utiliza a aceleração na quarta potência. A relação entre a magnitude e duração de vibração é definida com dependência de tempo. Assim, quanto mais tempo uma pessoa estiver exposta à vibração, menor será a intensidade da vibração para preservar o critério limite. Uma dose adimensional é extraída da relação entre o tempo limite e o tempo de exposição ao ruído, essa dose é utilizada para medir o risco de exposição. Utilizado esse mesmo raciocínio uma dose adimensional para vibração de corpo inteiro foi definida neste artigo e aplicada em exemplos conhecidos em guias técnicos. Os resultados demostram que a nova abordagem de dose de vibração é mais simples, de simples e de fácil interpretação pelos profissionais de higiene e segurança do trabalho, assim como por trabalhadores e empregadores. Ainda, poderia ser utilizada em medidores de vibração assim como nos dosímetros de ruído. Também foi verificado que constitui um problema para avaliar o risco da de vibração o fato de 96,6% dos países não utilizar o método de quarta potência ou outro conforme indicado no padrão ISO 2631-1.

Referências

MANSFIELD, NEIL J. Human response to vibration. Boca Raton, FL: CRC Press, 2005. OCLC: 62208357. ISBN 9780203487228. Disponível em: http://site.ebrary.com/id/10162776.

GRIFFIN, Michael J. Handbook of human vibration. 1. print. paperback ed. ed. London: Acad. Press, 1996. OCLC: 39151533. ISBN 9780123030405 9780123030412.

NORMALIZAçãO, Comité Europeu de. EN 14253 - Mechanical vibration — Measurement and calculation of occupational exposure to whole-body vibration with reference to health — Practical guidance. [S.l.]: Comité Europeu de Normalização, 2008.

STANDARDIZATION, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR. ISO 2631-1- Evaluation of human exposure to whole-body vibration part 1 general requirements. 1985.

STANDARDIZATION, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR. ISO 2631-1: mechanical vibration and shock: evaluation of human exposure to whole body vibration: Part 1: general requirements. Geneva, 2010. Amendment 1. 1997.

INSTITUTION, British Standards. 6. BS 6841 Guide to Measurement and evaluation of human exposure to whole-body mechanical vibration and repeated shock. [S.l.]: British Standards Institution, 1987.

BURGESS-LIMERICK, Robin. Measuring and Managing Workplace Whole-Body Vibration Exposures. Acoustics Australia, v. 44, n. 1, p. 129–135, abr. 2016. ISSN 0814-6039, 1839-2571. doi: 10.1007/s40857-015-0032-5. Disponível em: http://link.springer.com/10.1007/s40857-015-0032-5. DOI: https://doi.org/10.1007/s40857-015-0032-5

HYGIENISTS, AMERICAN CONFERENCE OF GOVERNMENTAL INDUSTRIAL. TLVs e BEIs. [S.l.]: TLVs e BEIs: baseados na documentação dos limites de exposição ocupacional (TLVs) para substâncias químicas e agentes físicos & índices biológicos de exposição (BEIs)., 2020.

CATION, Sarah; JACK, Robert; OLIVER, Michele; DICKEY, James P.; LEE-SHEE, Natasha K. Six degree of freedom whole-body vibration during forestry skidder operations. International Journal of Industrial Ergonomics, v. 38, n. 9-10, p. 739–757, set. 2008. ISSN 01698141. doi: 10.1016/j.ergon.2007.10.003. Disponível em: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0169814107001874. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ergon.2007.10.003

GRIFFIN, Michael J.; WHITHAM, Eleri M. Discomfort produced by impulsive whole-body vibration. The Journal of the Acoustical Society of America, v. 68, n. 5, p. 1277–1284, nov. 1980. ISSN 0001-4966. doi: 10.1121/1.385121. Disponível em: http://asa.scitation.org/doi/10.1121/1.385121. DOI: https://doi.org/10.1121/1.385121

GRIFFIN, Michael J.; WHITHAM, Eleri M. Time dependency of whole-body vibration discomfort. The Journal of the Acoustical Society of America, v. 68, n. 5, p. 1522–1523, nov. 1980. ISSN 0001-4966. doi: 10.1121/1.385078. Disponível em: http://asa.scitation.org/doi/10.1121/1.385078. DOI: https://doi.org/10.1121/1.385078

ORCID. Michael Griffin (0000-0003-0743-9502). Disponível em: http://orcid.org/0000-0003-0743-9502.

GRIFFIN, Michael J. VIBRATION DOSE VALUES FOR WHOLE-BODY VIBRATION: SOME EXAMPLES. Institute of Sound and Vibration Research The University Southampton, 1984. Disponível em: https://eprints.soton.ac.uk/430080/1/3080U_MJG_1984.pdf.

STANDARDIZATION, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR. International Standard ISO 30326-1-Mechanical vibration—Laboratory method for evaluating vehicle seat vibration — Part 1: Basic requirements. 1994.

COMMUNITIES, Official Journal of the European. Directive 2002/44/EC of the European Parliament and of the Council of 25 June 2002 on the minimum health and safety requirements regarding the exposure of workers to the risks arising from physical agents (vibration). Official Journal of the European Communities, L177/13. EUROPEAN COMMISSION, 2002. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/ALL/?uri=CELEX%3A32002L0044.

GRIFFIN, Michael J. Chapter 50 - Vibration. Disponível em: http://www.ilocis.org/documents/chpt50e.htm.

BONGERS, Paulien; BOSHUIZEN, Hendrike Cornelie. Back disorders and whole-body vibration at work. Alblasserdam: Kanter, 1990. OCLC: 46209272. ISBN 9789090036687.

Capa - Dose de vibração, uma abordagem diferente sobre o tema

Downloads

Publicado

28/dez/2021

Como Citar

SOUZA, V. C.; TEIXEIRA, J. A. de M. e S. Dose de vibração, uma abordagem diferente sobre o tema. Acústica e Vibrações, [S. l.], v. 36, n. 53, p. 67–80, 2021. DOI: 10.55753/aev.v36e53.11. Disponível em: https://revista.acustica.org.br/acustica/article/view/aev53_dose. Acesso em: 14 jul. 2024.