Validação de realidade virtual acústica via testes de articulação em salas ruidosas e reverberantes

Autores

  • Viviane S. G. Melo Laboratório de Instrumentação em Dinâmica, Acústica e Vibrações – LIDAV, IPRJ/UERJ, Nova Friburgo, RJ https://orcid.org/0000-0002-2354-6167
  • Pâmela G. Lima Laboratório de Instrumentação em Dinâmica, Acústica e Vibrações – LIDAV, IPRJ/UERJ, Nova Friburgo, RJ
  • Tayná C. Santos Laboratório de Instrumentação em Dinâmica, Acústica e Vibrações – LIDAV, IPRJ/UERJ, Nova Friburgo, RJ
  • Roberto A. Tenenbaum Laboratório de Instrumentação em Dinâmica, Acústica e Vibrações – LIDAV, IPRJ/UERJ, Nova Friburgo, RJ

DOI:

https://doi.org/10.55753/aev.v32e49.95

Palavras-chave:

aurilização, realidade virtual acústica, testes de articulação, simulação acústica de salas, validação de aurilização

Resumo

Um dos principais desafios em validar aurilizações está em encontrar parâmetros objetivos para medir sua qualidade. Neste trabalho, aurilizações modeladas computacionalmente são validadas por meio de testes de articulação. Convoluindo as respostas impulsivas biauriculares (BIRs), geradas pelo código computacional de simulação de acústica de salas RAIOS com o sinal anecoico que contém uma lista de cem monossílabos, a aurilização é gerada e índices de articulação virtuais podem ser computados. Por outro lado, o teste de articulação realizado na sala fornece o índice de articulação real. Ambos os índices são a média de monossílabos anotados corretamente pelos voluntários, convertida em valores percentuais. São realizados testes de articulação em duas salas. Na primeira delas, são geradas aurilizações em três diferentes situações: apenas com ruído de fundo, com ruído rosa de 60 dB e 65 dB adicionados. O objetivo é validar a métrica em salas com distintos níveis de ruído. A segunda é o teatro de um colégio que é extremamente reverberante, visando avaliar a influência da reverberação na inteligibilidade da palavra. Quando os índices de articulação reais e virtuais são comparados, um erro menor que 5% é encontrado. As conclusões são que as aurilizações foram bem-sucedidas e que índices de articulação são métricas confiáveis para validar aurilizações.

Referências

BERANEK, L. Concert and Opera Halls: How They Sound. Acoustical Society of America, Woodbury, 1996. doi: 10.1063/1.881889 DOI: https://doi.org/10.1121/1.414882

FELS, J. From children to adults: How binaural cues and ear canal impedances grow. Ph.D. Thesis, Institut für Technische Akustik, Aachen University, Germany, 2008. doi: 10.1121/1.3020603 DOI: https://doi.org/10.1121/1.3020603

ISO. INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 3382: Acoustics – Measurement of the reverberation time of rooms with reference to others acoustical parameters, 1997.

HARAZKI, Z.; IANCHIS, D.; TIPONUT, T. Generation of the head related transfer functions using artificial neuronal networks. 13th WSEAS International Conference on Circuits, 114–118, 2009.

HODGSON, M.; YORK, N.; YANG, W. and BLISS, M. Comparison of predicted, measured and auralized sound fields with respect to speech intelligibility in classrooms using CATT-Acoustic and Odeon. Acta Acustics united with Acustics, 94(6), 883–890, 2008. doi: 10.3813/AAA.918106 DOI: https://doi.org/10.3813/AAA.918106

MELO, V.S.G. Avaliação de inteligibilidade em salas de aula do ensino fundamental a partir de respostas impulsivas biauriculares obtidas com cabeça artificial de dimensões infantis. Tese de Doutorado em Engenharia Mecânica – COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

MELO, V.S.G.; TENENBAUM, R.A.; NARANJO, J.F.L. A New Approach to Validate Computer Modeling auralizations by Using Articulation Indexes. Acústica e Vibrações, V. 46, 1–8, 2014.

MÜLLER, S. Medir o STI. Anais do seminário de música, ciência e tecnologia, 2, São Paulo, 2005.

MÜLLER, S. Monkey Forest User Manual. Aachen, Germany, Audio & Acoustics Consulting, 2008.

NARANJO, J.F.L.; TENENBAUM, R.A.; TORRES, J.C.B. Acoustic quality parameters used for error evaluation of neural networks modeling for HRIRs applied to escape training in blind conditions. Int. Rev. Chem. Eng., V. 5(6), 394–399, 2013. DOI: https://doi.org/10.15866/ireche.v5i6.6947

PENG, J. Feasibility of subjective speech intelligibility assessment based on auralization. Applied Acoustics, 66, 591–601, 2005. doi: 10.1016/j.apacoust.2004.08.006 DOI: https://doi.org/10.1016/j.apacoust.2004.08.006

SANTOS, T.C. Validação de realidade virtual acústica via testes de articulação com ruído. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Engenharia Mecânica – UERJ, Instituto Politécnico, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2016.

SANTOS, L.R. Validação de realidade virtual acústica via testes de articulação. Trabalho de ConclusãoCurso de Graduação em Engenharia Mecânica – UERJ, Instituto Politécnico, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2015.

TENENBAUM, R.A.; CAMILO, T.S.; TORRES, J.C.B. and GERGES, S.N.Y. Hybrid method for numerical simulation of room acoustics with auralization: Part 1 – Theoretical and numerical aspects. J. Braz. Soc. Mech. Sci. & Eng., V. 29(2), 211–221, 2007a. doi: 10.1590/S1678-58782007000200012 DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-58782007000200012

TENENBAUM, R.A.; CAMILO, T.S.; TORRES, J.C.B. and STUTZ, L.T. Hybrid Method for numerical simulation of room acoustics: Part 2 – Validation of the computational code RAIOS 3. J. Braz. Soc. Mech. Sci. & Eng., V. 29(2), 222–231, 2007b. doi: 10.1590/S1678-58782007000200013 DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-58782007000200013

TENENBAUM, R.A.; MELO, V.S.G. and MUSAFIR, R.E. Intelligibility assessment in elementary school classrooms from binaural room impulse responses measured with a childlike dummy head. Applied Acoustics, Vol. 74, 1436–1447, 2013. doi: 10.1016/j.apacoust.2013.06.005 DOI: https://doi.org/10.1016/j.apacoust.2013.06.005

TENENBAUM, R.A.; MELO, V.S.G. and NARANJO, J.F.L. Virtual reality: A new approach to validate computer modeling auralizations by using articulation indexes. In: Cipresso, P. and Serino, S. Virtual Reality: Technologies, Medical Applications and Challenges, Nova Publishers, New York, 2015. doi: 10.1016/j.apacoust.2017.09.025 DOI: https://doi.org/10.1016/j.apacoust.2017.09.025

VORLANDER, M. Auralization: Fundamentals of Acoustics, Modelling, Simulation, Algorithms and Acoustic Virtual Reality. Springer, Berlin, 2008. doi: 10.1121/1.2908264 DOI: https://doi.org/10.1121/1.2908264

YANG, W.; HODGSON, M. Validation of the auralization technique: Comparative speech intelligibility tests in real virtual classrooms. Acta Acustica united with Acustica, 93(6), 991–999, 2007.

Capa - Validação de realidade virtual acústica via testes de articulação em salas ruidosas e reverberantes

Downloads

Publicado

28/dez/2017

Como Citar

MELO, V. S. G.; LIMA, P. G.; SANTOS, T. C.; TENENBAUM, R. A. Validação de realidade virtual acústica via testes de articulação em salas ruidosas e reverberantes. Acústica e Vibrações, [S. l.], v. 32, n. 49, p. 51–57, 2017. DOI: 10.55753/aev.v32e49.95. Disponível em: https://revista.acustica.org.br/acustica/article/view/aev49_validacao. Acesso em: 21 jul. 2024.